A educação precisa acompanhar as novas gerações

acompanhar as novas geracoes

 

Utilizando-se de cenários, te convido a imaginar duas situações, para comparar e conflitar a educação contemporânea com a educação de séculos atrás.

Então: Imagine-se viajando ao passado, voltando para a sala de aula da escola do século XIX, entradas separadas para meninos e meninas, filas para entrar nas salas, carteiras enfileiradas, quadro negro com uso de giz, os alunos impecavelmente uniformizados e disciplinados, professor austero, autoritário, expondo o conteúdo, exigindo a atenção plena, sendo o centro das aulas, o ensino era baseado na memorização, sem nenhum recurso tecnológico ou de informação.

Voltando para os dias de hoje, como são nossas salas de aula, nossos sistemas didáticos? O que mudou? Talvez o giz do quadro negro foi substituído pelo pincel para lousa branca, mas as carteiras continuam enfileiradas, as aulas expositivas, onde o professor ainda é o centro do aprendizado, mas e os alunos, e as gerações Y, Z? Esses mudaram de comportamento, tivemos o surgimento da tecnologia, do acesso fácil e rápido as informações, estamos na era da revolução digital, mas a educação ainda continua no século XIX.

A educação contemporânea ainda segue a mesma linha de séculos atrás, porém as gerações mudam e por isso é necessário repensar nosso sistema educacional para acompanhar as novas gerações e consequentemente trazer benefícios para o educando, atingindo uma formação plena, mais humana e principalmente mais apropriada para a atualidade, onde o aluno aprenda a aprender e consiga acompanhar as mudanças que ainda ocorrerão possibilitando autonomia intelectual aos alunos do século XXI. Devido as mudanças que ocorrem tão rapidamente no mundo, é necessário educar o aluno no futuro, ensinar o aluno a aprender, a ter facilidade de lidar com diferentes recursos tecnológicos, e isso só consegue formando um aluno para ter flexibilidade, maleabilidade para se virar em diferentes contextos e se formar para a vida.

A própria BNCC (Base Nacional Comum Curricular) alterou em 2017 seu conjunto de aprendizagens essenciais e indispensáveis a que todos os estudantes têm direito de adquirir e devem desenvolver ao longo da vida escolar, através do desenvolvimento de competências. As competências citadas no documento, dizem respeito à formação de cidadãos mais críticos, com a capacidade de aprender a aprender, de resolver problemas, de ter autonomia para a tomada de decisões, cidadãos que sejam capazes de trabalhar em equipe, respeitar o outro, o pluralismo de ideias, que tenham a capacidade de argumentar e defender seu ponto de vista.

O aluno pode e deve ser ativo no processo de ensino-aprendizagem, onde o professor é mediador, auxiliando nesse processo, através de metodologias ativas de ensino, que além melhorar a qualidade de ensino, motiva os alunos a serem mais participativos nas aulas, melhorando seu desempenho e aprendendo mais.

Uma das alternativas para mudar esse quadro é a aplicação de metodologias ativas de ensino, que tem o objetivo de transformar as salas de aula em experiências vivas de aprendizagem, motivando os alunos, os tornando mais criativos, autônomos, ensinando-os a aprender, para conquistar uma educação livre e emancipatória.

Com a diversificação de métodos ativos de ensino, podemos transformar a sala de aula em um espaço privilegiado, onde o aluno pode compartilhar, criar, produzir.

 

Por Fernanda Andreello Simoni

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *